11/08/2009

Primeira selecção de ramos na Phillirea

Há uns dias fiz uma primeira selecção de ramos encurtando os que deixei ao primeiro nó.

Infelizmente o maior problema desta espécie é a tendência que tem para desenvolver entrenós muito longos o que dificulta um pouco o trabalho! Á parte disso é uma espécie com um vigor fora de série e com as folhas que reduzem muito.

Agora deixarei crescer novamente até ao final da estação para mais tarde voltar a podar forte.

Mário Eusébio

3 comentários:

Rui Ferreira disse...

Bom dia Mário

O material tem excelente potencial e é raro ver um exemplar desta espécie com uma base tão poderosa.
Não sei o tipo de solo que usa mas talvez seja essa a razão do grande comprimento dos entrenós.
Digo isto porque em Itália vi vários exemplares desta mesma espécie no viveiro do mestre Liporace com entrenós curtos e ramificações finas.
Aprendi com o Mestre Liporace a utilizar solos muito drenantes e sem matéria organica.E o mais essêncial é também controlar a rega.
Não lhe quero de maneira nenhuma estar a dar lições mas é só uma sugestão para talvez tentar no futuro.

Rui Ferreira

Rui Ferreira disse...

Bom dia Mário
È raro ver nesta espécie bases com esta força!
Tem aí excelente material.
O problema que referiu dos longos entrenós talvez tenha alguma coisa a ver com o tipo de solo que utiliza.
Digo isto porque em Itália vi vários exemplares desta mesma espécie no viveiro do Mestre Liporace,todos com entrenós muito curtos e ramificações finas.
Aprendi com o Mestre Liporace a utilizar solos muito grossos e drenantes sem matéria organica e nisto junto com uma rega espartana talvez resida a solução do seu problema.
Espero que entenda isto apenas como uma sugestão da minha parte.

Mário Eusébio disse...

Viva Rui!

Obrigado!

De facto este exemplar tem uma base enorme! Penso que terá ficado assim por crescer em cma duma pedra e por ter sofrido cortes constantes dos novos troncos.

Eu também utilizo apenas solos inertes, aliás nem costumo peneirar as granulometrias mais grossas utilzo assim em bruto, neste caso, tem alguma matéria orgánica que se refere á terra do monte que não quis tirar para não "abalar" as raizes que tinha.

Depois desta poda, verifiquei que a espécie consegue brotar de zonas mais atrás nos ramos não lenhificados. Quinze dias depois já está outras vez com 50 cms de crescimentos novos!

Dá-me a sensação que esta espécie tem um vigor superior a "prima" oliveira!

Muito obrigado pelos conselhos!

Mário Eusébio